[ editar artigo]

Por que você não precisa fazer uma segunda faculdade?

Por que você não precisa fazer uma segunda faculdade?

A Nachali se formou em Jornalismo, nunca se considerou uma aluna exemplar, e mudou para o mercado digital sem cogitar fazer outra faculdade. Ela revela como fez isso com sucesso. ;)

Quase reprovei na faculdade, mas hoje sou estrategista digital de marcas nacionais.

Eu definitivamente fui uma aluna mediana na faculdade. Passei raspando em todas as disciplinas de teorias, nunca poderei dizer que me formei com honras.

Mas isso não me impediu de ser uma profissional de sucesso. Pelo menos, o que eu considero sucesso.

Então antes de começar, temos que atualizar nosso conceito de sucesso.

Quem aí já leu o livro “A sutil arte de ligar o foda-se” de Mark Manson? 

(Alerta de spoiler)

Lá no capítulo 4 ele vai contar a história do Dave Mustaine. Se você gosta de música você sabe que ele é um ícone do heavy metal e é fundador da lendária banda Megadeth. Conhecendo a história do Dave você sabe que ele foi expulso da Metallica e o gol dele era ser mais famoso que a banda que o expulsou.

Mesmo depois de vender mais de 25 milhões de cópias, serem nomeados para 12 Grammys e vencerem em 2017 com a canção "Dystopia" na categoria Best Metal Performance, segundo Mark, ele não está feliz.

Logo, se o meu gol fosse terminar a faculdade com honras e colar em um mestrado, eu estaria muito infeliz. Mas meu gol era trabalhar numa empresa reconhecida, me tornar gestora, conquistar prêmios e ter o reconhecimento dos profissionais da minha área e principalmente dos dinossauros da minha área. E tudo isso eu conquistei.

Voltemos para as dificuldades com os estudos

Na escola não era tão ruim, mas existia um estigma de que ou você gostava de português ou de matemática.

E eu gostava dos dois, então meio que eu ia bem em tudo. Quando foi pra escolher a faculdade foi um pesadelo, eu acabei indo pro Jornalismo... e hoje eu trabalho com Publicidade.

Vamos chegar lá.

Na faculdade eu quase reprovei em todas as disciplinas de teoria. Simplesmente porque não fazia o menor sentido pra mim. Eu sou muito racional e muito prática, e as teorias pareciam um grande blá, blá, blá.

E querem saber o mais estranho? Hoje eu sou a pessoa que cita os autores dentro da agência e explica as teorias para as pessoas. Porque hoje eu vejo aplicação para elas.

Lembro-me perfeitamente de uma aula de filosofia que eu simplesmente desisti do professor, eu fui à biblioteca e peguei o livro “O Mundo de Sofia”. Eu fiz toda a disciplina baseado no livro e foi uma das poucas que eu tirei acima de 8 naquele ano.

Mas por que para mim é tão difícil?

Porque as teorias exigiam um poder de abstração para uma futura aplicação, em que a maioria dos meus professores não estavam dispostos a encontrar comigo.

Todos têm meios diferentes de aprender, e eu aprendo na prática.

Você já descobriu qual o seu? 

Quando eu decidi mudar de profissão, foi por causa da matemática. Eu descobri que era possível medir o que as pessoas falavam nas redes sociais sobre uma marca, o que chamamos de social listening.

E isso foi uma grande descoberta pra mim. Naquele momento eu larguei o jornalismo e virei Social Media. Mas não existiam cursos formais que ensinassem a fazer isso. Logo, eu tive que desenvolver o meu método para aprender.

Isso foi em 2009, mais ou menos.

Eu não sou muito fã do termo autodidata, pois pode significar quase tudo. Eu gosto de ter um método claro e um plano.

E vou contar qual foi o meu:

#1

Primeiro, eu listei todas as competências que eu tinha que aprender.

Eu sou formada em jornalismo e estava entrando no mundo publicitário. Eu fui atrás de diversos cursos livres de criatividade, escrita livre, criação publicitária entre outros. Em nenhum momento eu cogitei voltar pra faculdade.

Eu precisava entender o máximo que eu pudesse sobre internet e suas ferramentas. Eu passei a participar de todos os fóruns que apareciam em Curitiba e região.

Eu entrava em contato com as ferramentas e pedia treinamentos e usava todas pelos períodos gratuitos, chegava a pagar só para aprender a usar e fazer os treinamentos para assinantes.

#2

E a partir daí, eu baixei minha expectativa de salário e eu fui ganhar experiência.

Nove anos depois, eu estou aqui escrevendo para vocês. 

Eu totalmente abri mão do conceito de que ensino é faculdade, pós-graduação, mestrado ou qualquer coisa do tipo. Ensino passou a ser o treinamento on-line, o e-book, o workshop, a palestra, os artigos lidos, as horas conversando com os profissionais da área, as horas trabalhando e testando na prática todo conhecimento que eu consegui juntar.

Tem suas desvantagens? Com certeza. Já perdi proposta de emprego por não ter pós-graduação em marketing digital, mas eu simplesmente não consigo ficar em sala de aula na faculdade.

Sinto que estou perdendo tempo, que há tanto que eu posso testar, aprender, errar e tentar de novo, que eu não quero ficar em uma sala escutando o professor me falar sobre uma teoria criada há anos.

Eu trabalho com internet e o que eu quero mesmo é continuar tentando descobrir como eu consigo prender a sua atenção no meu anúncio em menos de dois segundos antes de você ver o gatinho que está logo abaixo do meu post na sua timeline.

E eu só consigo isso analisando dados, comportamentos, testando e transformando tudo isso em uma peça de criação.

Não há métodos certos ou errados de aprender. Há o seu método. Encontre-o.  

 

Nachali Dvulatk trabalha como Social Media há 9 anos, é Coordenadora de estratégia digital da HouseCricket. Formada em jornalismo e pós-graduada em comunicação política.

Mundo Centro Europeu
Ler matéria completa
Indicados para você