[ editar artigo]

Na reta final do curso de fotografia! Quem já está com saudades?

Na reta final do curso de fotografia! Quem já está com saudades?

Olá! Meu nome é Larissa Schutz e estou na reta final do curso de fotografia do Centro Europeu.

Curitibana e Engenheira Ambiental sempre tive um amor por tirar fotos. Não sei explicar a origem disso.

Talvez pelo fato que tenho toda minha infância registrada em fotos ou porque era uma emoção quando meu pai deixava bater pelo menos uma fotinho numa época em que as poses eram contadas.

Ou ainda por ter “construído”, na aula de “ARTES” na escola, uma câmera escura e feito uma foto e revelado ela no laboratório. O fato é que a fotografia se fez presente desde muito cedo na minha vida. 

Como esquecer minha primeira câmera fotográfica – uma incrível cybershot de 6MP do Paraguai –  com a qual eu comecei a registrar tudo. Inclusive marcou um dos momentos mais importantes da minha vida, que foi morar sozinha pela primeira vez a mais de 800 km da minha família. 

Mas foi só em 2015 que finalmente criei “coragem” e dei um passo além. Comprei uma câmera Canon, faria uma viagem para fora do país e estava empolgadíssima, não queria perder nada, queria tirar fotos perfeitas.

Mas essa tal câmera era bem diferente da antiga (que eu insisto em levar em todas minhas viagens até hoje, mas para fins meramente informativos o modelo que tenho agora é à prova d’água!).

Ela tinha umas coisas “estranhas” como um tal de ISO, aparecia muitas informações na tela sem falar da quantidade de diferentes botões que eu não fazia ideia para o que serviam. E fora isso, duas lentes com muitas informações escritas nelas.

Sem pensar duas vezes mandei mensagem para um amigo e pedi ajuda. Ele me indicou um curso online e gratuito no Youtube e comecei a assistir essas aulas.

A data da viagem se aproximava e eu já havia descoberto mais ou menos o que eram algumas coisas, sabia que existia uma abertura da lente... uma velocidade e que o tal do ISO tinha a ver com luz.

Confesso que voltei um pouco frustrada da tal viagem porque tinha sido mais difícil do que eu imaginava! Mas eu não desisti, continuei assistindo as aulinhas. E tirando muitas fotos, algumas bem terríveis.

E foi quando eu percebi que fotografia não era só um hobby, era uma paixão. Eu queria aprender aquilo, eu queria entender como tudo funcionava (bem coisa de engenheira).

Morando no Rio de Janeiro na época e com perspectiva de ser transferida do trabalho, cheguei a pesquisar cursos presenciais, mas com um futuro bem incerto tomei a decisão que não era o momento certo para o curso.

E novamente me senti frustrada. Estaria abrindo mão de algo que desejei muito? Retomei as buscas, mas dessa vez comecei a pesquisar em Curitiba e foi quando conheci o Curso de Fotografia do Centro Europeu.

Pronto, coloquei na cabeça que se tudo desse certo e eu voltasse para Curitiba faria aquele curso.

Uma longa espera cheia de expectativas aconteceu por quase 1 ano até que finalmente tinha uma data! E dia 01 de Setembro embarquei de volta para minha terrinha!

Quando a poeira baixou (mudança é uma loucura!) fui atrás das informações do curso do Centro Europeu. Matricula feita, foi só esperar as aulas começarem. 

Fui para o primeiro dia de aula no Centro Europeu (me fez lembrar do meu primeiro quando mudei de escola).

Não sabia ao certo como seria, onde era a sala. Você chega e já tem algumas pessoas que você timidamente cumprimenta. Senta meio sem graça. Coração palpitando. Eu dizendo internamente “Calma mulher! Vai dar tudo certo! É seu sonho! Lembra?”.

Devo dizer que o primeiro dia foi inesquecível. Além de todas as “sensações” internas. Os professores entraram na sala...um a um. Numa fila indiana! Estavam todos lá na frente e queria muito ver nossas carinhas os encarando.

Não vou dizer exatamente os fatos em ordem porque minha memória não é tão boa assim. Mas tenho muita certeza de que meus olhinhos brilharam muito quando a professora  Priscila Forone se apresentou e falou sobre fotografia de natureza (eu escolhi meio ambiente como minha profissão lembram?).

Ou talvez nunca esqueça do jeito alegre da professora Tânia se apresentando e com certeza não vou esquecer que ela falou que estávamos todos muito quietinhos mas que aquilo ia mudar rápido e que nos tornaríamos amigos.

Ela não poderia estar mais certa! Que amigos eu fiz durante esse curso! E o quanto aprendi com eles. O que me faz lembrar também outra coisa dita neste curso, que eles não faziam curso básico e avançado, pois essa “mistura” trazia muitos ganhos para todos, pois poderíamos trocar ideias, ajudar uns aos outros.

E fico me perguntando: será que eles sabem o quanto isso foi verdadeiro durante curso? Certamente aprendi muito e posso até dizer que cresci também como pessoa.

Mas voltando as apresentações também difícil esquecer do Milleo, se apresentou timidamente e ele nos ensinaria o básico da fotografia.

Também avisou que era direto e que seria exigente...cumpriu direitinho o que disse! Bom para nós. Nos ensinou, teve paciência, foi direto e nos fez crescer com sua avaliação. 

Foi com o Milleo que fizemos nossa primeira saída, fotografar na rua. Confesso que ver a maneira como ele enxergava as coisas foi até intimidador no começo, mas com o passar do dia as coisas foram fluindo e no final da aula ele já tinha alunos mais atentos e confiantes fazendo suas fotos. 

Esse foi só um daqueles momentos marcantes.  Digamos que foi só o começo, tivemos muitos desafios!

A Tania (maravilhosa) nos ensinou como realizar um ensaio fotográfico logo no começo do curso, fazer a produção e dirigir pessoas. Meu Deus, dirigir pessoas??

Nunca tinha feito isso na vida! Foi um misto de ansiedade, medo e insegurança que escondi com um sorriso no rosto e lá fomos nós fazer as fotos numa ensolarada manhã de sábado na charmosa casa do Batel.

Ou ainda a tão esperada foto de natureza.  Esperei por essa aula desde o primeiro dia. Estava ansiosa.

É claro que foi incrível, a Priscila esteve com a gente o tempo inteiro, nos ensinou também a enxergar e a perceber tudo que estava ao nosso redor. Devo mencionar que estávamos na Mata Atlântica!!!

Infelizmente não cruzamos com nenhuma cobrinha pelo caminho mas por algum motivo que não sei explicar só eu fiquei triste...meu colegas pareciam felizes!

Ou a “mágica” do Splash e as aulas de tratamento com o Zequinão! Que nos ensinou com tanta calma, paciência, humildade e muita dedicação. 

Eu poderia ficar horas...até dias escrevendo. Porque esse “time” de professores é barra pesada! E fomos surpreendidos durante todo o curso com novos aprendizados e novos desafios. 

A Larissa que está saindo desse curso não é mais a mesma que entrou. Aprendi a deixar a engenheira um pouco de lado e ser mais sensível ao que está se passando ao meu redor. E que natureza é lindo mas você olhar pra sua própria cidade e notar sua arquitetura e as pessoas que estão ali é lindo também.

Que através da fotografia a gente constrói histórias, a gente conta histórias e a gente toca pessoas.

E por último, mas não menos importante, a querida professora Aline me emocionou com sua relação com a foto e como ela tornou isso um papel social da vida dentro da vida dela.

E isso é inspirador. É inspirador viver isso, ter conhecido cada uma dessas pessoas. Não foi possível citar todas que fizeram parte disso.

Mas cada uma me inspirou de uma maneira diferente. Só posso agradecer a todos. Pelo aprendizado e por todas essas experiências vividas.  

Mundo Centro Europeu
Ler matéria completa
Indicados para você