[ editar artigo]

Como fiz do celular do aluno o meu principal aliado na sala de aula

Como fiz do celular do aluno o meu principal aliado na sala de aula

Olá, meu nome é Lucas Percegona e sou professor de Direção de Arte do curso de Gestão de Mídias Sociais do Centro Europeu.

A minha maior missão é, além de ensinar ferramentas, desenvolver a CRIATIVIDADE dos meus alunos.

Primeiro, sempre faço questão de falar que SOMOS TODOS CRIATIVOS.

A questão é, para "ONDE?" estamos direcionando a criatividade. A nossa mente é capaz de muitas coisas, inclusive, de aprender com o erro. 

Depois de errar algumas vezes, você pode buscar aprender mais, para que na próxima fique melhor. E perceba: isso se aplica a qualquer coisa que você tenha como como foco.

Você será criativo, precisará resolver problemas e, à medida que vai aprendendo como resolvê-los, a sua mente se fortalece.

De repente, você passa a agir como se a nova ação fosse algo corriqueira, vira parte do seu cotidiano.

Além disso, estou o tempo inteiro buscando referências. E depois que eu aprendi a buscá-las em outros campos não só do digital, percebi que a minha criatividade poderia ir mais além. 

Esses dias me peguei analisando a textura de uma folha de Ginco, percebendo as suas linhas internas mais escuras, seu formato, e lembrei que quando criança eu falava que parecia com a orelha de um elefante (sim, minha mente vai longe).

Eu aprendi a alimentar a minha mente com as informações que eu preciso para melhorar cada vez mais, e isso se tornou natural.

No Centro Europeu, temos um grupo de pessoas com interesse real em aprender como "construir imagens bonitas"

Confesso que quando comecei como professor, fazia alguns longos slides de puro conteúdo relevante, mas denso demais, perdia a atenção da galera facinho. 

Por isso, passei a procurar formas e processos de interação com os alunos que me permitissem escutar seus pontos de vista. Ali percebi um valor.

Mas adicione na receita o celular. Isso mesmo, o celular. 

O formato do curso para qual leciono é direcionado para o mobile. Durante a aula, compartilhamos imagens no whats e podemos mandar nosso trabalho até pra família aprovar - o que aconteceu de fato.

Cada um com seu celular na mão, no seu mundo, buscando aprender, da sua forma, a montar bons layouts. 

Mesmo quando pedia para eles manterem o foco em um único celular do grupo, eu virava as costas e eles já estavam todos com celular na mão novamente. 

A questão é que eles (os alunos) têm ao seu dispor uma ferramenta poderosa em mãos, e privá-los disso no momento de estudo já não faz mais sentido. 

Saber utilizar a tecnologia a meu favor foi o melhor caminho.

Esses dias testei uma dinâmica diferente. Quando eles consideravam a arte pronta, eu perguntava: o que pode melhorar?

Esperei algumas respostas tímidas, e as poucas afirmações que vinham nesse momento eram construídas com pouca argumentação.

Nesse momento pego o celular e coloco uma imagem visualmente agradável ao lado da arte deles para que pudéssemos comparar em detalhes. 

No início eu precisei ajudar, mas já na terceira rodada de feedbacks eles já eram capazes de construir algo satisfatório e ainda pesquisar novas funções, cada um no seu ritmo. 

Alguns se aventuraram e até já começaram um segundo layout pra ver se melhorava!

Vale lembrar, antes de iniciar as construções no celular, que pedi para que eles fizessem um esboço no papel do que gostariam construir, baseado em uma temática promocional. 

Cada grupo seguiu um caminho próprio, mas com elementos muito criativos que expressam a cultura de cada um. 

A capacidade de criar é uma qualidade intrínseca ao ser humano, cada um com a sua forma de expressão.

Dar liberdade para isso é dar possibilidade para que novos formatos, novas imagens, novas culturas e novas vozes sejam ouvidas. 

Por isso, se você souber aplicar as técnicas e dominar um smartphone, você pode ir muito longe.

E o meu papel como professor pode ser resumido em: mostrar as técnicas, novos caminhos, dar novas possibilidades, e dar a liberdade para a criatividade de cada um.

 

Mundo Centro Europeu
Ler matéria completa
Indicados para você